domingo, 17 de novembro de 2013

A Minha Melhor Amiga

Parte II
                A Erica ajoelha-se deixando o meu corpo entre as pernas dela e começa a beijar-me o meu peito, ombros e pescoço. Esta atitude agressiva e selvagem surpreendeu-me e assusta-me um pouco mas excita-me a sua atitude de dominadora. Ela despe-me o sutiã caicai bruscamente e mexe-me nas minhas mamas por cima do top e aperta-me os mamilos. De seguida despe-me o top e os calções, começa a tocar e a mexer nos meus genitais por cima das minhas cuecas de fio dental brancas transparentes. Eu gemo de satisfação, sinto que as cuecas começam a ficar cada vez mais molhadas e tento também estimular os meus genitais mas a Erica não me permite batendo nas minhas mãos. De repente ela puxa-me pelos meus cabelos obrigando a levantar-me do chão, eu protesto de dores mas ela ignora, empurra-me para a cama deixando-me deitada e prende-me com cordas as minhas mãos á cama.
                Observo a Erica a vestir um cinto que tem um pénis de plástico, aproxima-se de mim obrigando-me a abrir a boca para introduzir o falso pénis e agarra-me novamente nos meus cabelos fazendo com que a minha cabeça faça um movimento reto para a frente e para trás. Eu quase me engasgo nos primeiros momentos mas controlo-me, a sensação e o sabor de plástico do falso pénis é repugnante. Ao terminar este ato, a Erica retira-me as cuecas que ainda tenho vestido e escolhe dois objetos que ainda permanecem na cama, são duas bolas pequenas transparentes que têm um líquido vermelho transparente que parecem as bolas com sais para o banho. Ela introduz as duas bolas na minha vagina e a seguir o falso pénis e começa com movimentos retos enquanto eu gemo e contorço e tento soltar-me das cordas mas sem sucesso. Às duas bolas arrebentão dentro na minha vagina e ai apercebo-me o que é o conteúdo das bolas: lubrificante. Chegado ao clímax e eu dou um orgasmo, a Erica retira o pénis e estimula o meu clitóris enquanto abre a boca enfrente aos meus genitais para receber o líquido que sai da minha vagina.
                Ao finalizarmos a relação sexual vestimo-nos e eu ajuda-a a acabar de fazer as malas, despedimo-nos e eu retiro-me da casa dela já com saudades desta e com este momento marcado da minha cabeça para sempre.


                3 meses depois
                Ligo o computador e o Skype liga automaticamente, começo a ver quem está online e antes de ver todos, a Erica inicia uma videochamada. Surpreendo-me porque ainda não tínhamos feito nenhuma desde que ela partiu e ao aceitar o pedido vejo a Erica num quarto de hotel com uma grande cama de casal onde está sentada com o computador portátil encima do colo onde vejo que ela está em sutiã preto transparentes com laços vermelhos nas alças, onde vejo os seus mamilos escuros e tenros.
                Sorri-o e imagino o que a Erica pretendia com aquela roupa. Levanto-me da cama, sento-me encostada, poiso o computador nos meus pés deixando a Erica ver os meus calções curtos que só tapa o essencial e uma camisola larga de manga comprida mas que mostra toda a barriga, pela posição do computador e pelas minhas grandes mamas a camisola fica o suficientemente afastada do corpo para mostrar um pouco do meu sutiã.
                A Erica também sorri e observa o meu corpo. – Queres brincar – questiona perversamente. – Queres fazer sexo por videochamada?
                Eu sem dizer nada abro a breguilha dos calções, meto a mão dentro das cuecas e começo a estimular os genitais. A Erica poisa o computador na cama e vejo todo o seu corpo e o vestuário, tem umas cuecas em tanga que faz conjunto com o sutiã e umas meias que fica um pouco acima dos joelhos pretas e transparentes.
                A Erica começa a despir-se sensualmente, começando pelas meias, a seguir pelo sutiã e por fim as cuecas, após isto, a Erica agarra num estimulador de clitóris, liga-o, coloca-o nos genitais e ela geme. Eu tiro a mão dentro das minhas cuecas que já estão molhadas e dispo a camisola preta e o sutiã vermelho e começo a mexer nas minhas mamas grandes, a estimular os meus mamilos e a chupa-los e mordisca-los. Começo a sentir cada vez mas desejo sexual, tenho imenso desejo de poder mexer no corpo da Erica, de a satisfaze-la e ouvir os seus gemidos e orgasmos bem junto ao meu ouvido.
                Ela começa a penetrar com três dos seus dedos da sua mão esquerda na sua vagina e ao mesmo tempo começo a despir os minicalções de ganga claros e as minhas cuecas vermelhas e retiro um vibrador, que tinha pertencido a Erica mas ela deu-mo quando foi para Africa, da minha gaveta superior da mesa-de-cabeceira. Carrego no botão para que o objeto comece a vibrar e introduzo-o dentro da minha vagina. Ambas estamos a gemer de satisfação e com desejo que pudéssemos satisfazer uma a outra, sem termos que fazer uma videochamada para fazer tal coisa. A Erica diz que me ama entre gemidos.
                De repente ouço o meu telemóvel a tocar, vejo de quem é a chamada e é da minha mãe. Eu e a Erica paramos com o que estávamos a fazer e eu atendo o telemóvel. Minutos depois desligo a chamada e peço desculpas a Erica e informo-lhe que tenho que ir para o hospital porque a minha mãe tinha caído nas escadas da sua casa e partido a perna.
                Desligamos a videochamada e eu vou tomar um duche e mudar de roupa e vou o mais rapidamente possível para o hospital.

2 comentários:

  1. Muito bom :) baseado em factos reais?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada. Não, à história não é baseada em factos reais.

      Eliminar